segunda-feira, 20 de junho de 2016

1º ANOS: 2º BIM/2016

CITOLOGIA

INSTRUÇOES: 
CARO ALUNO, ESTES TEXTOS E FOTOS SERVIRÃO PARA QUE VOCÊ AMPLIE SEUS CONHECIMENTOS SOBRE O ASSUNTO ESTUDADO. VOCÊ PODERÁ IMPRIMÍ-LOS SE ACHAR NECESSÁRIO. 
BOM ESTUDO A TODOS!!! 



                         CÉLULA EUCARIOTA ANIMAL


Trabalho realizado pelos 1º anos do Turno Manhã/2013.



                                     
                                  Trabalho realizado pelos 1º anos do Turno Manhã/2013.

                        CÉLULA EUCARIOTA VEGETAL



                                   
                                    Trabalho realizado pelos 1º anos do Turno Manhã/2013.

                                 CÉLULA PROCARIOTA



A FOTOSSÍNTESE

AS PLANTAS SE ALIMENTAM?

“Mas é claro que sim!”- certamente você pensou nisso ! E você pensou certo. Mas como uma planta se alimenta? Você já viu, na hora do almoço, uma mangueira pedir licença e “traçar” um bife com fritas ? Se viu, me conta!!!
Claro que não viu ! Então, como os vegetais fazem para se alimentar ? Você sabe ? Então, vamos entender melhor esse processo.
Se, por acaso, já passou pela sua cabeça a palavra Fotossíntese, você está no caminho certo!!! As plantas são diferentes dos animais, porque elas produzem o seu próprio alimento por meio de um processo chamado de Fotossíntese. Por essa razão, as plantas são denominadas de Autotróficas ( capazes de fabricar o seu alimento) e os animais são os Heterotróficos ( se alimentam de outros seres vivos).
A palavra Fotossíntese quer dizer : foto = luz e síntese = fabricar, fazer,… Assim, as plantas obtêm o seu alimento com o auxílio da luz do Sol. As plantas, algas e algumas bactérias absorvem a energia da luz do Sol. Esses organismos têm um pigmento que dá a cor verde a eles. Esse pigmento é chamado de Clorofila.
Com o auxílio da energia do Sol e com a absorção de água, sais minerais e gás carbônico ou dióxido de carbono ( CO2); os organismos clorofilados produzem um tipo de açúcar (glicose) que é o seu alimento. O outro produto, o oxigênio, é liberado para o ar.

Graças a esse processo as plantas tornaram o nosso planeta habitável. Quer dizer: com a atmosfera cheia de Oxigênio (O2) livre para nós respirarmos. Além de absorver o perigoso Dióxido de Carbono, que hoje em dia está aquecendo o nosso planeta. O Homem está produzindo muito CO2, quando queima os combustíveis fósseis. O Dióxido de Carbono produz uma camada ( tipo um cobertor) que não deixa o calor sair. Produzindo o efeito estufa e aquecendo a Terra. Por isso, devemos plantar árvores e não deixarmos desmatar mais coisas.


O Planeta agradece !!!



TEXTOS COMPLEMENTARES:

TEXTO 1
I-                    Fotossíntese

Fotossíntese é um processo realizado pelas plantas para a produção de energia necessária para a sua sobrevivência.
Como acontece?
A água e os sais minerais são retirados do solo através da raiz da planta e chega até as folhas pelo caule em forma de seiva, denominada seiva bruta. A luz do sol, por sua vez também é absorvida pela folha, através da clorofila, substância que dá a coloração verde das folhas. Então a clorofila e a energia solar transformam os outros ingredientes em glicose. Essa substância é conduzida ao longo dos canais existentes na planta para todas as partes do vegetal. Ela utiliza parte desse alimento para viver e crescer; a outra parte fica armazenada na raiz, caule e sementes, sob a forma de amido.
A fotossíntese também desempenha outro importante papel na natureza: a purificação do ar, pois retira o gás carbônico liberado na nossa respiração ou na queima de combustíveis, como a gasolina, e ao final, libera oxigênio para a atmosfera.
As plantas como fonte de energia
A fotossíntese é uma das principais fontes de energia da natureza, não só para os vegetais, mas para vários outros seres vivos. Sendo assim, os vegetais estão na origem da cadeia alimentar fornecendo para os animais, entre eles, o homem.
A energia acumulada nas plantas é também aproveitada pelo homem através da queima do petróleo, da lenha e do carvão.

O pulmão do mundo
Até pouco tempo, acreditava-se que a região amazônica era a grande responsável pela manutenção dos níveis de oxigênio da terra, sendo popularmente chamada de ‘pulmão da terra’. Porém, recentes pesquisas descobriram a existência de um novo “pulmão”: as algas marinhas. Apesar de se apresentar nas cores verdes, azuis, marrons, amarelas e vermelhas, todas as algas possuem clorofila e fazem fotossíntese. Como são muito numerosas, que se atribui a sua fotossíntese a maior parte de oxigênio existente no planeta.


.
A FOTOSSÍNTESE

     O termo fotossíntese significa síntese que usa luz.
     A água é fundamental para o processo da fotossíntese. Ela entra pelas raízes e atinge todas as partes da planta, chegando às folhas, que são o principal local onde se realiza a fotossíntese. No ar que respiramos, há um gás muito importante, chamado dióxido de carbono. Ele entra nas plantas pelas folhas. A luz do sol fornece a energia para a formação da matéria orgânica (açúcar).
     Apesar de ser tão importante, a fotossíntese necessita de muito pouco para acontecer: água, dióxido de carbono e luz. No processo de fotossíntese, a planta liberta algumas substâncias de que não necessita, como é o caso do oxigênio, gás fundamental para a respiração dos seres vivos.
     O açúcar produzido pela planta é usado para produzir energia. Se a planta produzir açúcar em grande quantidade, armazenará esse açúcar para o uso futuro. Todos os seres vivos precisam de energia para sobreviver. A energia é retirada dos alimentos.
     Os animais obtêm seu alimento comendo plantas ou outros animais. As plantas não comem, mas produzem seu próprio alimento (açúcar) por meio do processo da fotossíntese. A planta absorve a luz do sol, que fornece a energia necessária para a transformação da água e do dióxido de carbono em açúcar. Durante a realização da fotossíntese, a planta elimina oxigênio para a atmosfera.


TEXTO 2

II- Cadeias e teias alimentares

As cadeias alimentares, ou cadeias tróficas, são sequencias de eventos consecutivos de relações de alimentação de um grupo de organismos por outros, formando níveis tróficos, que englobam os produtores, consumidores e decompositores.

As setas indicam o sentido do fluxo de alimento na cadeia alimentar. 
O componente biótico de um ecossistema relaciona-se entre si e estipula níveis para essas relações. Podemos, então, classificar os seres vivos de acordo com as funções específicas que desempenharão dentro de um ecossistema.
Organismos autótrofos – São assim chamados todos os organismos que têm a capacidade de transformar a matéria inorgânica em matéria orgânica, normalmente, utilizando a luz solar e produzindo o oxigênio. Têm essa capacidade todos os fotossintetizantes e quimiossintetizantes (que ao invés da luz solar, utilizam substâncias químicas oxidadas).
Organismos heterótrofos – São assim considerados todos os organismos que não são capazes de produzir o seu próprio alimento, tendo assim, que utilizar a energia produzida pelos autótrofos ou mesmo por outros heterótrofos (dependendo de sua dieta).
Produtores – São sempre autótrofos, produzem alimento que será usado na cadeia, e por isso estão obrigatoriamente no início de qualquer cadeia alimentar. A energia transformada a partir da luz solar e do gás carbônico será repassada a todos os outros componentes restantes da cadeia ecológica. Os principais produtores conhecidos são plantas e algas microscópicas (fitoplâncton).
Consumidores – São os organismos que necessitam alimentar-se de outros organismos para obter a energia que eles não podem produzir para si próprios. Vão-se alimentar dos autótrofos e de outros heterótrofos podendo ser consumidores primários, consumidores secundários, consumidores terciários e assim por diante. Na alimentação, nem toda a energia obtida será integralmente usada, isto é, parte dessa energia não será absorvida e será eliminada com as fezes; outra parte será dissipada em forma de calor. Assim, grande parte da energia será “perdida” no decorrer de uma cadeia alimentar, diminuindo sempre a cada nível. Podemos, então, dizer que o fluxo de energia num ecossistema é unidirecional começando sempre com a luz solar incidindo sobre os produtores, e diminuindo a cada nível alimentar dos consumidores.
Decompositores – São organismos que atuam exatamente em papel contrário ao dos produtores. Eles transformam matéria orgânica em matéria inorgânica, reduzindo compostos complexos em moléculas simples, fazendo que estes compostos retornem ao solo para serem utilizados novamente por outro produtor, gerando uma nova cadeia alimentar. Os decompositores mais importantes são bactérias e fungos. Por se alimentarem de matéria em decomposição são considerados saprófitos.
O conjunto de uma série de ecossistemas é chamado de teia alimentar. Nesse caso, várias teias se entrelaçam, fazendo que as relações ecológicas sejam múltiplas e o alimento disponível possa ser utilizado por vários indivíduos, realmente compondo um ecossistema. 
Importante: 
1. A energia é unidirecional. 
2. A matéria é cíclica.

Níveis Tróficos
1. O conjunto de indivíduos que se nutre no mesmo patamar alimentar, ou seja, alimentam-se basicamente dos mesmos nutrientes e estão colocados em um mesmo nível trófico.
2. Os produtores estão colocados no 1.° nível trófico.
3. Os consumidores primários, aqueles que se alimentam dos produtores, são herbívoros e constituem o 2.° nível trófico.
4. Os consumidores secundários compõem o 3.° nível trófico, sendo os carnívoros.
5. Após esses, existe o 4.° nível trófico, e assim por diante.
6. Os decompositores ocupam sempre o último nível da transferência de energia, formando um grupo especial que degrada tanto produtores quanto consumidores.
Importância de se conhecer as cadeias alimentares
Justifica-se pela possibilidade do uso natural de animais ou plantas a fim de controlar ou equilibrar o ecossistema, de forma a evitar o uso de pesticidas e de quaisquer outras formas artificiais que possam desequilibrar em longo prazo o ambiente, ou ainda, provocar sérias reações nos animais e até nos seres humanos que ali habitam.


Termos utilizados na Ecologia

Habitat
O habitat é o lugar na natureza onde uma espécie vive. Por exemplo, o habitat da planta vitória régia são os lagos e as matas alagadas da Amazônia, enquanto o habitat do panda são as florestas de bambu das regiões montanhosas na China e no Vietnã.

Nicho ecológico
O nicho é um conjunto de condições em que o indivíduo (ou uma população) vive e se reproduz. Pode se dizer ainda que o nicho é o "modo de vida" de um organismo na natureza. E esse modo de vida inclui tanto os fatores físicos - como a umidade, a temperatura, etc - quanto os fatores biológicos - como o alimento e os seres que se alimentam desse indivíduo.
Vamos explicar melhor: O nicho do Bugio, por exemplo, inclui o que ele come, os seres que se alimentam dele, os organismos que vivem juntos ou próximo dele, e assim por diante. No caso de uma planta, o nicho inclui os sais minerais que ela retira do solo, a parte do solo de onde os retira, a relação com as outras espécies, e assim por diante.
O nicho mostra também como as espécies exploram os recursos do ambiente. Assim a zebra, encontrada nas savanas da África, come as ervas rasteiras, enquanto a girafa, vivendo no mesmo hábitat, come as folhas das árvores. Observe que cada espécie explora os recursos do ambiente de forma um pouco diferente.

População
Indivíduos de uma mesma espécie que vivem em determinada região formam uma população. Por exemplo: as onças do pantanal formam uma população.
As capivaras também podem ser encontradas no pantanal, mas fazem parte de outra população, já que são de outra espécie.
Às vezes a população pode aumentar muito, por exemplo, em meados do século XIX, alguns coelhos selvagens foram levados da Inglaterra para a Austrália, para serem usados nas caçadas. Na Europa, as populações de coelhos eram naturalmente controladas por diversos predadores e parasitas. Na Austrália, porém não existiam tantas espécies que atacavam coelhos. O resultado é que esse animal se reproduziu rapidamente chegando a atingir mais de 200 milhões de indivíduos, que passaram a destruir as plantações e as pastagens da Austrália. Isso mostra o perigo de se introduzir num novo ambiente um organismo não nativo.

Esta é mais uma das questões que a ecologia estuda: "O que faz o número de indivíduos de uma população aumentar, diminuir ou permanecer constante?".

Comunidade
Na figura abaixo, podemos perceber que no mar existem diversos animais e vários tipos de plantas. E há também seres muito pequenos - tão pequenos que só podem ser vistos com aparelhos especiais como os microscópios, que possuem lentes especiais que ampliam a imagem dos seres observados.
Se colocarmos uma gota da água do mar no microscópio, veremos um número imenso desses pequenos seres vivos.
Pense quantos organismos diferentes podem ser encontrados num jardim: grama, roseiras, minhocas, borboletas, besouros, formigas, caracóis, sabiás, lagatixas...
Todos os seres vivos de determinado lugar e que mantêm relações entre si formam uma comunidade. A comunidade do mar abaixo é composta por peixes, algas, plantas, os seres microscópios, enfim todas as populações lá existentes.


Ecossistema
É o conjunto dos relacionamentos que a fauna, flora, microorganismos (fatores bióticos) e o ambiente, composto pelos elementos solo, água e atmosfera (fatores abióticos) mantém entre si. Todos os elementos que compõem o ecossistema se relacionam com equilíbrio e harmonia e estão ligados entre si. A alteração de um único elemento causa modificações em todo o sistema podendo ocorrer a perda do equilíbrio existente. Se por exemplo, uma grande área com mata nativa de determinada região for substituída pelo cultivo de um único tipo de vegetal, pode-se comprometer a cadeia alimentar dos animais que se alimentam de plantas, bem como daqueles que se alimentam destes animais.
A delimitação do ecossistema depende do nível de detalhamento do estudo. Por exemplo, se quisermos estudar o ecossistema de um canteiro do jardim ou do ecossistema presente dentro de uma planta como a bromélia.

Biosfera
Ainda não temos conhecimento da existência de outro lugar no Universo, além da Terra, onde aconteça o fenômeno a que chamamos de vida.
A vida na Terra é possível porque a luz do Sol chega até aqui. Graças a sua posição em relação ao Sol, o nosso planeta recebe uma quantidade de energia solar que permite a existência da água em estado líquido, e não apenas em estado sólido (gelo) ou gasoso (vapor). A água é essencial aos organismos vivos. A presença de água possibilita a vida das plantas e de outros seres capazes de produzir alimento a partir da energia solar e permite também, indiretamente, a sobrevivência de todos os outros seres vivos que se alimentam de plantas ou animais. Pela fotossíntese que há a absorção de água e gás carbônico e liberação de oxigênio, a energia do Sol é transformada em um tipo de energia presente nos açucares, que pode então ser aproveitada por seres que realizam esse processo e por outros seres a eles relacionados na busca por alimento.
A Terra pode ser dividida assim:
  • Litosfera - a parte sólida formada a partir das rochas;
  • Hidrosfera - conjunto total de água do planeta (seus rios, lagos, oceanos);
  • Atmosfera - a camada de ar que envolve o planeta;
  • Biosfera - as regiões habitadas do planeta.
Biosfera é o conjunto de todos os ecossistemas da Terra. É um conceito da Ecologia, relacionado com os conceitos de litosfera, hidrosfera e atmosfera. Incluem-se na biosfera todos os organismos vivos que vivem no planeta, embora o conceito seja geralmente alargado para incluir também os seus habitats.

A biosfera inclui todos os ecossistemas que estão presentes desde as altas montanhas (até 10.000 m de altura) até o fundo do mar (até cerca de 10.000 m de profundidade).
Nesse diferentes locais, as condições ambientais também variam. Assim, a seleção natural atua de modo diversificado sobre os seres vivos em cada região. Sob grandes profundidades no mar, por exemplo, só sobrevivem seres adaptados à grande pressão que a água exerce sobre eles e a baixa (ou ausente) luminosidade. Já nas grandes altitudes montanhosas, sobrevivem seres adaptados a baixas temperaturas e ao ar rarefeito.
Na biosfera, portanto, o ar, a água, o solo, a luz são fatores diretamente relacionados à vida.


Os Principais Ecossistemas Brasileiros

O Brasil possui uma grande diversidade de ecossistemas. Quase todo o seu território está situado na zona tropical. Por isso, nosso país recebe grande quantidade de calor durante todo o ano, o que favorece essa grande diversidade. Veja, no mapa a seguir, exemplos dos principais ecossistemas encontrados no Brasil.






2º ANOS: REINO VEGETAL- ESQUEMAS COMPLEMENTARES- 2º BIM/2016

ESQUEMA GERAL: REINO VEGETAL



ESQUEMA: BRIÓFITAS E PTERIDÓFITAS



ESQUEMA: GIMNOSPERMA E ANGIOSPERMAS


TRABALHO PRÁTICO SOBRE AS FLORES-
REALIZADO PELOS ALUNOS


2º ANOS- REINO VEGETAL- 2º BIM/2016

REPRESENTAÇÃO DO PROCESSO DE NUTRIÇÃO VEGETAL


CLASSIFICAÇÃO VEGETAL


ØAlgas Pluricelulares -  clorófitas, rodófitas e feófitas;
ØBriófitas – musgos, hepáticas; antoceros
ØPteridófitas – samambaias, avencas;
ØGimnospermas – pinheiro, sequoia; ciprestes
ØAngiospermas – feijão, jacarandá, roseira; etc 

TALÓFITAS- ALGAS

BRIÓFITAS- MUSGOS
 

A ESTRUTURA DE UM MUSGO


CICLO DE VIDA DO MUSGO


PTERIDÓFITAS: SAMAMBAIA


PTERIDÓFITAS: AVENCA
 

CICLO DE VIDA DE UMA PTERIDÓFITA 



CARACTERÍSTICAS GERAIS: CRIPTÓGAMAS E FENERÓGAMAS

 1. AS CRIPTÓGAMAS

Características das briófitas:

- Ausência de órgãos em geral, exceto os reprodutores;
- Presença de rizóides, caulóides e filóides;
- Ausência de vasos condutores de seiva;
- Ausência de cutícula impermeabilizante;
- Pequeno porte;
- Ausência de tubo polínico e sementes;
- Ambientesterrestes úmidos e de água doce, como hábitat;
- Reprodução assexuada e sexuada por alternância;
- Exemplares mais conhecidos: musgos e hepáticas.

Características das pteridófitas:

- Presença de vasos condutores de seiva;
- Presença epiderme impermeabilizada por cutícula;
- Presença de raiz, caule e folhas, além das estruturas reprodutivas;
- Grande porte em algumas espécimes;
- Ausência de tubos polínico e sementes;
- Maioria de vida terrestre, algumas aquáticas;
- Reprodução assexuada e sexuada por alternância de gerações;
- Exemplares mais conhecidos: samambaias, licopódios, selaginelas e avencas.

2. AS FANERÓGAMAS

Características das gimnospermas:

- Presença de vasos condutores de seiva;
- Presença de epiderme impermeabilizada por cutícula;
- Presença de raiz, caule, folhas e flores incompletas;
- Ausência de frutos;
- Grande porte na maioriadas espécies;
- Presença de tubo polínico e sementes;
- Maioria de vida terrestre;
- Reprodução sexuada por auternância de gerações;
- Exemplares mais conhecidos: Pinheiros, ciprestes, tuias, cedros e sequóias.

Caracteristicas das angiospermas:

- Presença de vasos condutores de seiva;
- Presença de epiderme impermeabilizada por cutícula;
- Presença de raiz, caule, folha e flores completas;
- Presença de frutos;
- Presença de tubos polínicos e sementes;
- Porte muito variado;
- Hábitat em ambientes aquáticos e terrestres;
- Reprodução sexuada por alternância de gerações;
- A maioria dos vegetais conhecidos como angiosperma: capins, roseiras, vitória-régia, coqueiro, palmeira, bambu, cana, algodoeiro, tabaco.

GIMNOSPERMAS: PINHEIROS...



AS FLORES DAS GIMNOSPERMAS: CONES


CICLO DE VIDA DAS GIMNOSPERMAS:



















ANGIOSPERMAS

 


CICLO DE VIDA DAS ANGIOSPERMAS: AS FLORES


AGENTES POLINIZADORES: INSETOS, PÁSSAROS, MORCEGOS, VENTO...



AS FLORES DAS ANGIOSPERMAS





EVOLUÇÃO VEGETA: ESQUEMA 1



ESQUEMA 2:



REINO PLANTAE: 3º Bimestre/2013
CONCEITOS

1- ALTERNANCIA DE GERAÇÕES: 2 tipos de reprodução no mesmo ciclo.
2- RIZOMA: caule subterrâneo
3- ESPOROS: haplóide ( n )
4- ESPORÂNGIO: bolsa produtora de esporos
5- ESPORÓFITO ( 2 n ): planta produtora de esporos
6- GAMETÂNGIO:  bolsa produtora de gametas
7- GAMETÓFITO ( n ): planta produtora de gametas
8- ARQUEGÔNIO ( n ): ( GAMETÂNGIO FEMININO) – produz oosfera ( gameta feminino)
9- ANTERÍDEO ( n ): ( GAMETÂNGIO MASCULINO) – produz anterozóide ( gameta masculino)
10- ESTRÓBILOS OU CONES: flores de gimnospermas
11- DIÓICO: sexos separados
12- MONÓICO: hermafrodita
13- POLINIZAÇÃO: disseminação do grão-de-pólen
14- HETEROSPORIA: 2 tipos de esporos diferentes:  MICRÓSPOROS E MEGÁSPOROS
15- SÉPALAS: conjunto: CÁLICE
16- PÉTALAS: conjunto: COROLA
17- ZIGOTO: transformará em embrião
18- ÓVULO: se desenvolve em semente
19- OVÁRIO: se desenvolve em fruto

 CICLO DE REPRODUÇÃO DOS VEGETAIS


1- BRIÓFITA:    GERAÇÃO HAPLÓIDE ( n )- GAMETÓFITO: DURADOURO
                          GERAÇÃO DIPLÓIDE (2n) – ESPORÓFITO:   TEMPORÁRIO

2- PTERIDÓFITA:  GERAÇÃO DIPLÓIDE ( 2n )-ESPORÓTÓFITO: DURADOURO
                                  GERAÇÃO HAPLÓIDE (n) – GAMETÓFITO:   TEMPORÁRIO

3- GIMNOSPERMA E ANGIOSPERMA: GERAÇÃO DIPLÓIDE(2n )-ESPORÓTÓFITO:DURAD.
                                                                     GERAÇÃO HAPLÓIDE (n) – GAMETÓFITO: TEMPOR


 REPRODUÇÃO SEXUADA

CICLO HAPLONTE OU HAPLOBIONTE- INDIVÍDUO ( n )

INDIVÍDUO HAPLÓIDE ( n ) ____ GAMETAS ( n ) ___ FECUNDAÇÃO

                                                   _____  MEIOSE (R!)  _____    ZIGOTO ( 2n)


CICLO DIPLONTE OU DIPLOBIONTE: INDIVÍDUO ( 2n)

INDIVÍDUO DIPLÓIDE ( 2n ) ___M(R!)_ GAMETAS ( n ) ___ FECUNDAÇÃO

                                                   ______________    ZIGOTO ( 2n)


CICLO HAPLONTE- DIPLONTE: HAPLODIPLOBIONTE: INDIVÍDUO ( n ) e ( 2n )

INDIVÍDUO DIPLÓIDE (2 n ) __M(R!)__ ESPOROS ( n ) ___ INDIVÍDUO ( n)

____     ZIGOTO ( 2n) ____FECUNDAÇÃO __ GAMETAS




AGENTES POLINIZADORES

Pelo ventoPor insetos

Por morcegos
Por pássaros

A POLINIZAÇÃO

Polinização é o ato da transferência de células reprodutivas masculinas (núcleos espermáticos)através dos grãos de pólen que estão localizados nas anteras de uma flor espermatozoides das plantas,o receptor feminino (estigma) de outra flor(da mesma espécie), ou para o seu próprio estigma. Pode-se dizer que a polinização é o ato sexual das plantas espermatófitas, já que é através deste processo que o gameta masculino pode alcançar o gameta feminino e fecundá-lo.

A transferência de pólen pode ser através de fatores bióticos, ou seja, com auxílio de seres vivos, ou abióticos, através de fatores ambientais. Os tipos gerais de polinização são os seguintes:
Flor de Neomarica candida sendo visitada por abelha: polinização entomófila.


 TIPOS ESPECIAIS DE
 FLORES, FRUTOS E SEMENTES

 FRUTO DA ROSEIRA

DISPERSÃO DAS SEMENTES
Flores de capim do Cerrado

 Plantas floríferas, monocotiledôneas.

 Flor da cana-de-açúcar

Flor do Milho


A diferença de fruta e fruto

O que se conhece popularmente por “frutas” não tem significado botânico. Fruta é aquilo que tem sabor agradável, às vezes azedo, às vezes doce. É o caso da laranja, pêssego, caju, banana, pêra, maça, morango, amora. Note que nem toda fruta é fruto verdadeiro.
Já o tomate, a berinjela, o jiló e a abobrinha, entre outros, são frutos verdadeiros, mas não são frutas...